Uma abordagem integrativa sobre o Parkinson

O presente trabalho tem o objetivo de auxilar as pessoas que possuem Parkinson ou que tenha algum conhecido que possua a doença. Inicialmente, gostaria de esclarecer que o presente trabalho em MOMENTO ALGUM, tem a intenção ou aconselhamento de substituir ou trocar o tratamento médico que a medicina convencional indica e realiza, aliás eu começo o texto dando as referências dela por meio do site do Hospital Albert Einstein, instituição médica que é muito séria e que realiza um grande trabalho em nosso país. Todavia em complemento ao trabalho alopático, e seguindo as bases da medicina integrativa acredito que podemos complementar o trabalho alopático com propostas integrativas, e que neste ensaio são apresentados de três formas, a saber: pela abordagem da metafísica da saúde, pela arte de toque sutil do Jin Shin Jyutsu e pela prática de Tai Chi. O presente ensaio que é teórico e prático, é extenso mas vale a pena a leitura.

Vamos destacar primeiramente as informações do site do hospital Albert Einsten que descrevem  os dados do Parkinson, a saber:

*Causas do Parkinson

"Com o envelhecimento, todos os indivíduos saudáveis apresentam morte progressiva das células nervosas que produzem dopamina. Algumas pessoas, entretanto, perdem essas células (e consequentemente diminuem muito mais seus níveis de dopamina) num ritmo muito acelerado e, assim, acabam por manifestar os sintomas da doença. Não se sabe exatamente quais os motivos que levam a essa perda progressiva e exagerada de células nervosas (degeneração), muito embora o empenho de estudiosos deste assunto seja muito grande. Admitimos que mais de um fator deve estar envolvido no desencadeamento da doença. Esses fatores podem ser genéticos ou ambientais.

Principais sintomas

OS principais sintomas da doença de Parkinson são a lentidão motora (bradicinesia), a rigidez entre as articulações do punho, cotovelo, ombro, coxa e tornozelo, os tremores de repouso notadamente nos membros superiores e geralmente predominantes em um lado do corpo quando comparado com o outro e, finalmente, o desequilíbrio. Estes são os chamados “sintomas motores” da doença, mas podem ocorrer também “sintomas não-motores” como diminuição do olfato, alterações intestinais e do sono.

Diagnóstico

O diagnóstico da doença de Parkinson é essencialmente clínico, baseado na correta valorização dos sinais e sintomas descritos. O profissional mais habilitado para tal interpretação é o médico neurologista, que é capaz de diferencia esta doença de outras que também afetam involuntariamente os movimentos do corpo. Os exames complementares, como tomografia cerebral, ressonância magnética etc., servem apenas para avaliação de outros diagnósticos diferenciais. O exame de tomografia computadorizada por emissão de fóton-único para quantificar a dopamina cerebral (SPECT-Scan) pode ser utilizado como uma ferramenta especial para o diagnóstico de doença de Parkinson, mas é, na maioria das vezes, desnecessário, diante do quadro clínico e evolutivo característico.

Tratamento

A doença de Parkinson é tratável e geralmente seus sinais e sintomas respondem de forma satisfatória às medicações existentes. Esses medicamentos, entretanto, são sintomáticos, ou seja, eles repõem parcialmente a dopamina que está faltando e, desse modo, melhoram os sintomas da doença. Devem, portanto, ser usados por toda a vida da pessoa que apresenta tal enfermidade, ou até que surjam tratamentos mais eficazes. Ainda não existem drogas disponíveis comercialmente que possam curar ou evitar de forma efetiva a progressão da degeneração de células nervosas que causam a doença. Há diversos tipos de medicamentos antiparkinsonianos disponíveis, que devem ser usados em combinações adequadas para cada paciente e fase de evolução da doença, garantindo, assim, melhor qualidade de vida e independência ao enfermo. Também existem técnicas cirúrgicas para atenuar alguns dos sintomas da doença de Parkinson, que devem ser indicadas caso a caso, quando os medicamentos falharem em controlar tais sintomas. Tratamento adjuvante com equipe multiprofissional é muito recomendado, além de atividade física regular. O objetivo do tratamento, incluindo medicamentos, fisioterapia, fonoaudiologia, suporte psicológico e nutricional, atividade física entre outros é melhorar a qualidade de vida do paciente, reduzindo o prejuízo funcional decorrente da doença, permitindo que o paciente tenha uma vida independente, com qualidade, por muitos anos.

Prevenção

Não há como prevenir a doença de Parkinson com os recursos disponíveis atualmente. Embora hoje seja possível identificar indivíduos com alto risco de conversão para Parkinson, por exemplo, portadores assintomáticos de genes patogênicos, as estratégias medicamentosas e com outras terapias alternativas ainda não se mostraram eficazes para prevenir a progressão da doença. "

Vamos agora apresentar uma abordagem integrativa sobre o parkinson, observamos primeiramente o quadro de medicina integrativa:

imagem

A “Medicina Integrativa é a prática da medicina que reafirma a importância da relação entre o paciente e o profissional de saúde, focada na pessoa em seu todo, é informada por evidências e que faz o uso de todas abordagens terapêuticas adequadas, profissionais de saúde e disciplinas para obter o melhor da saúde e cura”

Diante desta definição vamos apresentar três abordagens terapêuticas adequadas , que são informadas por evidências, de profissionais de saúde.

A primeira seria numa questão comportamental. Será que alguma atitude comportamental, emocional poderia contribuir para a origem da doença? A medicina convencional conforme o texto acima não sabe precisar, contudo o profissional Valcapelli, que é psicólogo e que por mais de dez anos estudou a referida doença, em sua obra metafísica da saúde aponta alguns comportamentos que propiciam e que podem dar origem a doença, a saber:

"Para Valcapelli, o Parkinson refere-se uma abordagem comportamental de Excesso de poder e autoridade. Como já foi mencionado acima o Parkinson remete a uma incapacidade motora, tremor , rigidez muscular . Diz ele que  o objetivo do tratamento  é de dar um recurso interior  que favoreça a sanidade e oferecer a família consciência o que o ente sofrer este mal. Trata-se de uma conduta de vida muito acirrada no que diz respeito a maneira como a pessoa atuou nas conquistas bem como no exercício do poder, geralmente são pessoas que autuavam e que ocupam posições  de destaque no que  fazem ou na família. São extremamente hábeis na suas atuações  conquistando um poder de liderança inclusive sobre aqueles que o cercam

Geralmente essas pessoas foram recheadas de sucesso, em especial na carreira profissional pois seu grande empenho proporcionou-lhe inúmeras vitórias que colocou numa condição de destaque. Lidavam  com o comando com facilidade geralmente centralizavam tudo na vida, o poder que tinham com isso não sobrava  tempo para cuidaram de si e realizarem suas próprias tarefas. Eram displicentes  para consigo no tocante a sua vida pessoal comprometendo  a disponibilidade para lidar com seus próprios problemas. Faltou lhes o controle da intimidade quando o poder extrapola os limites da pessoa levando-a ao excessivo domínio da situações exteriores ,isso prova a falta de confiança em si mesma , não sabe lidar com a perda do poder, sendo comum, para valcapelli  a doença surgir  após o afastamento de alguma situação importante porque  sentiam-se seguras quando tinham o controle das situações. Não sabe lidar com a perda de poder. É comum a doença surgir após o afastamento de alguma situação importante. Sentiam-se seguras quando tinham o controle das situações. Necessidade de controle tudo a sua volta, Pior ainda com o surgimento do Parkinson depararam com as limitações físicas impostas pela doença, durante o período em que se mantiveram ativas, essas pessoas exercitavam a habilidade de execução, liderança e poder tornaram-se eximias realizadoras, sempre deram o melhor de si, mas não sabiam receber o que os outros tinham para lhes dar, tem dificuldade em delegar funções , monopolizavam as ações considerando qualquer ajuda praticamente insignificante, tinham dificuldades em admitir o potencial alheiro, com o surgimento da doença a pessoa precisa aprender a aceitar a colaboração dos outros. O aprendizado de aceitar a colaboração dos outros promove o enriquecimento da bagagem de vida. O real poder é o exercido sobre si mesmo, com a qualidade de auto se programar. Ou seja decidir de acordo com as próprias condições internas e não induzido pelas tendências externas. É fazer aquilo que cabe a si sem se importar com os outros ter a condição de se bancar, a liderança autocrática é exercida sem levar em consideração os pontos de vista alheios, a liderança democrática é aquela em que são levantadas as opiniões dos liderados em que se busca praticamente um consenso do grupo antes de se tomar qualquer decisão pertinente ao andamento das atividades. Por fim a liderança anárquica é aquela que se delega o poder decisão a cada integrante da equipe. Não são tomadas decisões a respeito da atividade de cada integrante da equipe. Cada um procede de acordo com seu senso próprio, nesse caso a averiguação de líder é apenas averiguar o andamento dos trabalhos. De outra forma a liderança anárquica representa falta de posicionamento do líder perante o grupo. Essa conduta demonstra insegurança  promovendo o desrespeito da equipe e o enfraquecimento do grupo. As pessoas afetadas pela doença de Parkinson geralmente exerceram uma liderança autocráticas"

Valcapelli, no parágrafo acima  então sugere que  alguns  comportamentos levados constantemente na vida de uma pessoa podem levar ao surgimento do parkinson. É óbvio que a individualidade de cada um, o estilo de vida, e fatores que podem ser genéticos ou ambientais, também podem da causa a doença.

Mas será que temos alguma ferramenta de toque sutil que pode ser usada em complemento ao tratamento alopático da doença.

O Jin Shin Jyutsu é uma arte de toque sútil, considerado uma prática integrativa e é  indicado como tratamento complementar em casos agudos e crônicos. Ele  atua no alívio de dores, desconfortos e disfunções físicas, sobrecargas emocionais e falta de clareza mental. Além disso, segundo Mary Burmeister, o Jin Shin Jyutsu é uma Fisio-Filosofia, pois nos permite conhecer a essência da natureza humana, ensinando a perceber, compreender e transformar a nossa realidade de forma natural, sem esforço. Com a prática desta arte podemos reconhecer a sabedoria do corpo e da vida, entender suas mensagens e utilizá-las para gerar harmonia e saúde. Através do Jin Shin Jyutsu despertamos nossa consciência, confiança e entusiasmo para nos entregar ao fluxo da vida com seus muitos e constantes processos de transformação.

Logo uma dica que agora ensino aqueles que possuem Parkinson, é diariamente reservar cerca de 20 minutos e efetuar a prática de toque como ensinado nas figuras abaixo. Realizando esta prática de toque sutil, sem esforço vamos estar trabalhando um ponto na região occipital da cabeça em que e jin shin jyutsu conhecemos como trava 4. O fluxo de energia vital que nesta região é envolvido com o toque será trabalhado e harmonizado contribuindo para o tratamento da doença. Para aqueles que quiserem sessões semanais também podem entrar em contato com os dados deste blog: http://wallacecoachdesaude.com.br/index.php/2017/01/22/atendimentosessao-p-aplicacao-de-jin-shin-jyutsu/

trava 04

trava 4a

 

Finalmente como prática integrativa complementar nós vamos encontrar a prática do Tai Chi. O  Tai CHI, além de ser uma prática integrativa de autocuidado que vai trabalhar corpo, mente, e consciência(alma/espírito), também é uma prática de iluminação.  Isso não significa religião, e sim a busca da espiritualidade no seu sentido literal, na busca do indivíduo do seu auto conhecimento. Com os movimentos suaves que a prática proporciona nós vamos desbloquear o conjunto de canais de energia, conhecido como nadis proporcionado bem estar e melhoria da qualidade de vida para aqueles que possuem a doença. Principalmente quando realizamos a prática sobre as mãos atrás da cabeça nos movimentos suaves vamos encontrar este benefício. Para aqueles que quiserem conhecer e fazer a prática semanalmente temos práticas de tai chi, é só clicar no blog.

http://wallacecoachdesaude.com.br/index.php/2017/04/22/venha-praticar-tai-chi-no-clube-da-comunidade-bolsa-d-agua/ 

*Fez parte deste ensaio: site do hospital albert einstein (https://www.einstein.br/doencas-sintomas/parkinson), livro autor valcapelli, metafísica da saúde, livro auto-ajuda jin shin jyutsu, livro medicina integrativa albert einstein, estudo tai chi associação wu san dji tao.